Diário de uma espécie de Mãe #20

 
Photo by  Patricia Prudente  on  Unsplash
 

Penso que hoje acabamos com esta parte mais burocrática de listas e documentos e tarefas antes do rebento nascer. Já tenho algumas saudades de me queixar, por isso hoje fechamos o capitulo de textos úteis e para a semana voltamos às lamurias e afins. 

Contra todas as minhas vontades (como muitas coisas nos últimos meses) lá fui fazer um curso pré-parto (depois conto como foi)., e uma das coisas que nos dizem que devemos fazer é um Plano de Parto para entregar no hospital com as nossas vontades e desejos. Eu fiz. Não porque acredito que alguém o vá seguir, acho sinceramente que temos que ter muita sorte para nos calhar uma equipa que realmente tenha tempo e leia aquilo que é a nossa vontade, mas porque me obrigou a pensar sobre como gostaria que fosse aquele momento e a informar-me sobre o que pode ou não acontecer. 

Não existe qualquer legislação referente ao plano de parto, mas existem normas e leis nacionais e internacionais que influenciam a sua aplicabilidade em Portugal. Podem saber mais aqui http://www.associacaogravidezeparto.pt.

Como já vos disse isto vale o que vale, cada equipa escolhe ler ou não, mas vocês têm sempre a última palavra naquilo que vos podem ou não fazer e por isso podem ser mais ou menos exigentes e/ou flexíveis. No meu caso, funciona apenas para me ajudar a organizar as ideias e para o que pai da criança também perceber aquilo pelo qual podemos vir ou não a passar, e para ele saber quando deve vir em minha defesa ou não. Sou muito flexível, porque confio muito nos profissionais e não tenho ideias muito fixas sobre o que quero que aconteça. Parece que não dá para exigir chegar lá, não ter dores e sair passados 5 minutos com um miúdo lindo nos braços e pronta para a curvas, se desse claramente era esta a minha exigência. Como não dá, este é o meu plano (adaptado, cortado e copiado de uma série deles que vi):

PLANO DE PARTO

Nome da Mãe                                   

Nome do Pai ou Acompanhante

Nome do Bebé                                              Data prevista de parto:  

A todos os profissionais que nos vão ajudar neste momento tão importante das nossas vidas… 

Neste documento constam as nossas preferências para o parto do (Nome do Bebé), sem fundamentalismos e com a esperança de um parto sereno e tão simples quanto possível para todos. Agradecemos, desde já, o vosso empenho, carinho, paciência e pedimos desculpa antecipadamente, se formos tomados pelo pânico ou pelo cansaço.

Os pontos abaixo foram definidos considerando que o parto decorra dentro da normalidade.

Numa situação de emergência, em que a minha vida e/ou a do bebé estejam em risco, confio em toda a equipa e admito alterações a este plano, desde que, tanto quanto possível, nos sejam explicados os termos, a necessidade e as implicações dessas alterações.

Presenças e local: 

  • Desejo que o parto seja no (Hospital que escolheram);

  • Desejo ter o Pai/ou outro acompanhante, sempre presente.

Trabalho de Parto e Parto:

  • Desejo um parto natural, se possível, no meu tempo e do bebé;

  • Se não for possível e tivermos que avançar para uma cesariana, confio que todos os nossos desejos sejam respeitados na mesma quando possíveis. 

Dor e alívio da dor:

  • Gostaria que fosse oferecida epidural assim que possível e caso seja possível;

  • Se possível, desejo ter liberdade total de movimentos para o parto se desenrolar de forma natural;

  • Se possível, desejo poder usar métodos de alívio da dor como por exemplo, bola de pilates, banheira, duche e saco de água quente;

  • Se possível, desejo poder ouvir música, reduzir a luz ou ajustar a temperatura da sala para meu conforto.

Exames e procedimentos:

  • Desejo o mínimo de intervenção e exames possível;

  • Se possível, gostaria de evitar descolamento de membranas, ou oxitocina sintética para acelerar o parto;

  • Se possível, desejo que a monitorização do bebé seja feita, de preferência, com equipamento móvel ou sem fios para assim manter a minha liberdade de movimentos;

  • Episiotomia apenas se necessário. 

Após expulsão

  • Desejo que o corte do cordão umbilical seja feito apenas quando o cordão parar de pulsar;

  • Desejo que após a expulsão seja imediatamente feito o contacto pele com pele com o bebé;

  • Desejo amamentar na primeira hora se possível;

  • Desejo que o primeiro banho seja dado por nós, com a ajuda necessária se possível;

  • Não desejo biberão, chupetas, bicos de silicone ou leite artificial, pretendo amamentar o meu filho naturalmente.

Nota: Este plano de parto foi elaborado tendo como pressuposto o princípio geral de Direito que refere o “consentimento pessoal é necessário para todas as intervenções médicas” plasmado no artigo 5º, da Convenção dos Direitos do Homem e Biomedicina (Convenção de Oviedo), assinada e ratificada por Portugal, em vigor desde 1 de dezembro de 2001.

E pronto, são estes os meus desejos, drogas com força e andar a laurear a pevide pelo hospital até o puto nascer. E vocês? Têm experiência com planos de parto? Respeitaram as vossas vontades ou não serviu absolutamente para nada?

Resumo semanal:

Tempo: 33 semanas

Sintomas: Pontapés, azia, gases, enjoos, dores nas costas, contrações (daquelas que não doem, mas fazem impressão), fome passado uma hora de comer, enfartamento depois de mandar duas dentadas na comida, tenho a sensação que o meu estomago é um berlinde. Ansiedade e nervoso miudinho a chegar, o que me causa alguma falta de sono durante a noite e muito durante o dia. Por outro lado, tenho feito chichi de forma decente, sem ser às pinguinhas, já tinha saudades mas cheira-me que não vai durar muito.

Medicamentos: ácido fólico e iodo.


Bárbara+Alves.png

Madalena acabou de descobrir que está grávida. Madalena quer fazer um guia da sua gravidez com o mínimo de Bullshit possível. Temos quase a certeza que vai ser hilariante e de um realismo extremo.

Não percam o próximo episódio, porque nós também não.