5 desculpas para assediar mulheres na rua que nós temos que parar de aceitar

 
 Photo by  Samantha Sophia  on  Unsplash
 

Se és mulher, tens 90% de hipóteses de já teres sido assediada em algum momento da tua vida. Na verdade, há uma probabilidade de 20% de já isso te ter acontecido desde os teus treze anos. Há mulheres que que dizem até que são assediadas todos os dias.

Imaginem o que é sentiriam se, no vosso dia a dia, a vossa aparência ou o vosso corpo fosse tratado como propriedade pública para ser comentado, tocado ou até mesmo violado. Sentiriam-se humilhados, porque o assédio não tem nada a ver com atração sexual, tem a ver com uma manifestação de poder. Sentiriam-se assustados, porque o assédio pode ter uma ameaça de violência explícita ou implícita ( "será que me vai perseguir?""será que me vai raptar?"). É isto que muitas mulheres experienciam no seu quotidiano.

Embora já haja muita gente a revoltar-se contra o assédio, ainda existe muita gente que o defende. Vivemos numa sociedade que ainda desvaloriza o assédio a mulheres, considerando como algo comum e, portanto, normal. Porém, lá por ser comum, não quer dizer que devamos aceitar isto e, muito menos, usar desculpas para justificar este tipo de comportamentos.

1. Já não se pode dizer a uma mulher que é bonita?: Há dois anos atrás, surgiu uma lei em Portugal que proíbe os piropos . Na altura, aquilo foi um escândalo! As mulheres bateram palmas, mas muitos homens ficaram transtornados, do tipo " mas agora já não se pode dizer a uma mulher que é bonita?". Podem, meus amigos, mas existem formas de o fazer sem deixar uma mulher desconfortável e constrangida, que é o que acontece frequentemente quando vocês, do nada, a decidem abordar no meio da rua e dizer barbaridades como "a tua mãe deve ser uma ostra, és cá uma pérola?".

2. É a única maneira de chamar a atenção de algumas mulheres: A sério, eu gostava muito de saber se já existiu alguma mulher na história da Humanidade que caiu de amores por um homem que lhe disse algo como "O teu pai é terrorista? És cá uma bomba?" ou por um que, no meio da rua, lhe decidiu, do nado, apalpar o rabo.  Eu não sei se os homens que já fizeram coisas destas algumas vez conseguiram sair com a mulher que abordaram, mas suspeito que as intenções deles não fossem um namoro nem sequer possível encontro. A maior parte dos homens faz isto porque acha que pode, porque acham que é um direito que alguém lhes facultou. É apenas mais uma forma de mostrarem à sociedade que são superior às mulheres(?) e que têm poder.

3. Calma, é só um elogio: Não sei se sabem, mas nós, mulheres, raramente consideramos um assédio na rua como um elogio. Na maior parte das vezes, isso deixa-nos desconfortáveis e constrangidas, além de nos deixar revoltadas por estarmos a ser tratadas como objetos. Atenção indesejada para  para o corpo têm muita mais tendência a deixar as mulheres desconfortáveis, sobretudo quando a sociedade já têm tendência a valorizar demasiado a aparência dos elementos do sexo feminino e a desvalorizar as suas outras qualidades. Embora possa, de facto, haver certas situações discutíveis em que certos comentários que não foram solicitados possam ser interpretados como lisonjeadores e educados, isto não é uma boa defesa.

4. Os homens são assim, o que é que se vai fazer: Esta desculpa, além de fazer com que muitas mulheres se sintam inferiores, é ofensiva para os homens. Eu, se fosse homem, sentiria-me ofendida por estarem-me a meter no mesmo saco que os outros. A sociedade tem que parar de retratar os homens como animais sem controlo dos seus próprios instintos e sem capacidade de se impedirem de magoar os outros.

5. Se não te vestisses dessa forma não eras assediada: A desculpa mais velha que as pessoas usam para justificar o assédio é " ela estava vestida de forma reveladora, estava a pedi-las". Mas o pior é que, muitas vezes, isto não serve de desculpa só para o assédio, em casos mais extremos também o que dizem quando uma mulher é violada, o que é ainda mais grave. Em primeiro lugar, ninguém tem o direito de dizer de que forma nos devemos ou não vestir. Além disso, não venham com essa desculpa da roupa, que  muitas de nós já fomos assediadas e estávamos vestidas de uma forma dita "normal". Roupas sexys ou reveladoras nunca são um convite para o assédio ou para a violência entre géneros. 


Margarida Gonçalves.png

Margarida Gonçalves, autora do blog Life of Cherry. É natural de Braga, sonhadora mas com os pés bem assentes na terra. É uma "devoradora de livros" e sonha viajar e ver com os seus próprios olhos o melhor que este mundo tem para oferecer. Sigam as suas aventuras no seu blog, Facebook, Twitter e Instagram.