Um mês em Marrocos - parte 2

Prontos para a segunda parte? Se não leram a parte 1, nós esperamos por vocês antes de continuarmos a nossa viagem. Saímos da cidade azul e apanhamos um comboio - provavelmente a melhor forma de ver o país e seguimos para Rabat, a capital, que desde 2012 é Património Mundial da Unesco. 

Rabat

É caso para se citar Mel Brooks e afirmar-se que em Marrocos "It's good to be the King", já que Sua Majestade tem um palácio na principais cidades, sempre pronto para o caso de ele o decidir visitar, e para quem leu a parte 1 deste artigo, e já se encontra em visita no terreno, já visitou pelo menos dois palácios reais por minha recomendação e Rabat vai ser uma excepção. O Palácio Real de Rabat é a residência oficial do Rei Hassan II, e além da família real, hospeda vários ministérios e organismos do Estado, por isso contentem-se em observar o seu incrível exterior, em particular a entrada principal.

Apanhem um comboio e vão a Kenitra, e aproveitem para fazer um dia (ou dias) de praia. Esta praia é famosa pelas suas ondas, ideais para fazer surf, ou caso não seja este o vosso desporto de eleição, aproveitem para passear à beira mar ou para descansar e praticar a arte de ficar bem bronzeada no seu areal quase perfeito.

Não podíamos deixar de vos dizer para visitar a Medina e satisfazer o vosso desejo de consumismo. Eu sei que fiz imensas compras e que me vi aflita para fechar a mala na hora de regressar... 

CityPack - www.wook.pt
 
 Photo © Marika Bortolami/Flickr

Photo © Marika Bortolami/Flickr

 

Meknés

Mais uma cidade Património da Humanidade da UNESCO e é fácil perceber porquê. Meknés tem uma riqueza extraordinária a nível de misturas de estilos arquitetónicos e monumentos incrivelmente bem preservados. É uma cidade fortificada, com nove portas decoradas com azulejos com padrões com arasbescos.

Mais uma cidade, mais um palácio, neste caso o Dar El Makhzen - a não perder - e a juntar à lista as várias mesquitas, hammans (para os fãs de Spas) e jardins, todos com um estilo hispanico-mourisco.

 
Photo by anibaltrejo/iStock / Getty Images
Photo by anibaltrejo/iStock / Getty Images
 

Fez

A segunda maior cidade de Marrocos e também o nome de um chapéu associado com este país do norte de África - não se esqueçam de comprar um como recuerdo.  Aproveitem para visitar as suas duas medinas, sendo que uma delas, Fes el Bali, foi declarada Património da Humanidade da UNESCO, não só pela sua arquitectura mas por ser lar da universidade mais antiga do mundo!

Esta é uma cidade que expõe provavelmente a melhor arquitectura islâmica do mundo, desde velhas madrassas, a mesquitas monumentais, profusamente decoradas com azulejos, transformando a cidade num verdadeiro museu a céu aberto.

Marrakesh

Em Marrakesh (e na grande maioria das restantes cidades), a zona mais importante a visitar é a medina, que equivale ao centro histórico da cidade e provavelmente à zona mais interessante. No caso desta cidade a medina encontra-se delimitada por uma muralha com um perímetro de dezanove kilometros, aproximadamente dois metros de largura e até nove metros de altura. Tem uma cor avermelhada como o resto da cidade. Existem mais de uma dezena de portas na muralha, sendo uma das mais bonitas a Bab Agnou. O nome vem do berbere “carneiro negro sem chifres” e a fachada é impressionante.

Não percam a última parte deste aritgo, a parte 3, na próxima semana, aqui no Peachy. 


 
Catarina Lourenço.png

Catarina é uma blogger de viagens a tempo inteiro, com uma curiosidade insaciável em perceber o que vê. Para ela viajar é mais do que tirar umas fotos! Segue as Aventuras de Catarina no seu Site, Facebook, Instagram, Twitter, Pinterest e YouTube.