#WomenInTech: Ana Sofia Pinho

O Peachy, em parceria com a Portuguese Women in Tech, vai apresentar-vos algumas figuras ligadas ao ramo da tecnologia, com o objectivo de sensibilizar o público em geral para a forma como estas mulheres estão a mudar o panorama nacional através da sua participação na criação de start-ups, novos modelos de negócio, empresas de relevo internacional e com a sua actividade, abrindo caminho no estrangeiro para todas nós. Para ler o artigo original, em inglês, clique aqui.

15896242_10208785871624179_1700866390618207728_o-large.jpg

Ana Sofia Pinho

Perfil

  • Tempo na área: 7 anos
  • Posição actual: Freelancer + RGSoC Organizer & Geekettes Ambassador
  • Local de Origem: Aveiro
  • De onde vens e o como chegaste aqui?

Nasci no Porto, mas cresci numa cidade pequena na região centro-norte de Portugal. Depois de alguns anos conturbados de liceu, porque eu simplesmente não conseguia descobrir o que queria fazer da minha vida e, fui aceite em mais três faculdades e em três cursos totalmente diferentes, fui para administração e engenharia industrial. Caso estejam a pensar em que outros cursos fui aceite, eles são Arquitetura e Microbiologia e Genética. Eu especializei-me em Lean Manufacturing e trabalhei como consultora por algum tempo, mas acabei ir para a London School of Economics para um curso de Empreendedorismo. Quando voltei, comecei a fazer trabalhos de design, mais cursos, Startup Weekends e mais recentemente, marketing e social media.

P.S .: Eu só quero dizer que não estou confuso, sou polímata. *

  • Como é que chegaste à área da tecnologia?

Durante anos andei à procura da minha tribo aqui em Portugal. Eu estava fora de Portugal há algum tempo e quando voltei vi um artigo sobre a Karina Martins da Costa que acabara de ganhar o Startup Weekend Lisbon 2010. E eu soube que era isto. Quando o Startup Weekend Porto 2011 apareceu, eu participei e foi como se eu tivesse finalmente encontrado a minha casa. O Startup Weekend Coimbra decorreu duas semanas depois, participei, lancei a minha ideia e venci!

Estou muito grata à Inês Santos Silva, André Magalhães e Pedro Santos pela organização destes eventos! Eles mudaram minha vida.

  • Fala-me do teu trabalho e o que fazes neste momento.

Atualmente estou a trabalhar como freelancer  em social media strategist e multimedia designer. Além disso, ajudo na organização do Rails Girls Summer of Code e coordeno os projetos do Geekettes.

  • Qual a parte do trabalho que fazes que mais gostas?

Adoro poder fazer muitas coisas diferentes e que o meu trabalho tenha significado.

  • Como consideras que o teu background e conhecimento influenciaram a abordagem que tens com o teu trabalho na indústria da tecnologia portuguesa?

Tendo saltado da Engenharia Industrial para o design e, de seguida, para o marketing, continuando activamente os meus estudos, espero trazer inovação resultante da mistura de todos esses campos.

Nos últimos anos, tive problemas de saúde que me levaram a estudar bioquímica e biologia molecular com mais profundidade. Espero em breve eu poder usar o que estou a aprender e inovar no campo da tecnologia em saúde. Além disso, penso que seja importante, que as questões de diversidade e inclusão sejam assuntos que precisam de ser discutidos e trabalhados com mais cuidado no nosso país. Talvez eu possa ajudar com isso também.

  • Que conselho darias a jovens mulheres que querem entrar para o sector da tecnologia e não sabem por onde começar?

Ok, então se não se importarem, eu falo diretamente para elas:

Olá! Prazer em conhecê-las e bem-vindas à tecnologia! Por favor, tenham a certeza de que não há maneiras perfeitas de entrar no mercado da tecnologia, nem conselhos perfeitos e, especialmente, nem horários perfeitos. Vocês merecem estar neste mercado como qualquer outra pessoa e não, não precisam de saber coding, existem outras maneiras de se envolverem em tecnologia que vão além da codificação. Use as redes sociais a vosso favor, sigam pessoas que vos interessem, enviem tweets para que os vossos seguidores estejam em dia com os eventos organizados e peçam ajuda se necessário. Uma das melhores coisas da tecnologia é que as pessoas desta área são geralmente muito simpáticas e prestáveis. Seja qual for o projeto que têm em mente, sigam em frente! Espero conhecê-lo em algum momento num evento de tecnologia ou ler sobre algo que vocês fizeram que tornou a tecnologia e o mundo ainda mais incríveis!

  • Guia-me num dia teu como mulher portuguesa no mundo da tecnologia.

Eu sou a pessoa mais aborrecida para responder isso! Eu sou muito nocturna e trabalho a partir de casa, então eu basicamente acordo por volta das 10, alimento os meus gatos ou eles vão continuar a seguir-me pela casa. Faço um green smoothie e, actualmente, ando a tentar escrever uma hora por dia e meditar antes do trabalho. Eu trabalho, cozinho e trabalho, e às vezes saio de casa para o trabalho, ou simplesmente faço recados. Volto, cozinho, limpo, trabalho e leio livros.

Espero que, durante o dia, eu tenha feito o dia de alguém, incluindo o meu, melhor.

  • Qual foi o melhor conselho que alguma vez recebeste?

Começa por cuidar de ti mesma. Não podes entornar água de um copo que está vazio, nem as pessoas querem perdir-te o que não podes dar. Estar cheia é importante!

Para saber o que podes e não podes dar, estabelece os teus limites, pois os limites devem ser o último recurso. Os limites vêm de um ponto onde te magoaste ou te sentiste stressada, e lutaste contra isso. Limites vêm de um lugar de clareza e serenidade onde sabes o que te faz feliz e o que não faz, o que te ajuda a crescer e ser o melhor que consegues ser.

  • Que Apps/Software/Ferramentas é que já não conseguias viver sem?

Pinterest, instagram, Dribbble, Behance e YouYube para o trabalho e para me inspirar. Twitter para notícias. Facebook para entrar em contato com o meio das startups portuguesas. Folga para RGSoC, Geekettes, qualquer coisa relacionada com trabalho e outros projetos em que estou a trabalhar e sobre os quais não posso ainda falar. Medium, scribd e meu kindle para ler. Os meus infinitos blocos de notas (estou tentando ser mais ecológica) e n cadernos feitos à mão para meus pensamentos. 

  • Links que queiras partilhar?

Pode começar pelo meu site: www.anasofiapinho.com

Mais informações sobre as iniciativas de diversidade e inclusão com as quais trabalho:

  • www.railsgirlssummerofcode.org
  • www.geekettes.io

 

  • Outra coisas que queiras partilhar?

Eu gostaria de saber o que era um polímata quando eu estava a crescer e, especialmente, quando tive que começar a trabalhar. Nós, como sociedade, temos-nos concentrado demais em nos tornar especialistas num determinado campo, mas há pessoas como eu que se sentem miseráveis fazendo isso. Polímatas não devem sentir-se mal por querer aprender mais e fazer coisas completamente diferentes. Não me estou a gabar. Estou apenas a tentar mostrar o que sou, para que outras pessoas também se sintam à vontade para serem elas mesmas, quer sejam polímatas ou especialistas. Seja vós mesmas!