"Não estás aqui pada fazer amigos" e outros mandamentos sobre trabalho

charles-koh we work mug
 

Depois de anos de lavagem cerebral, a ouvirmos diariamente moralidades saídas de contos de fadas, eis que chegamos ao mundo do trabalho e temos as nossas primeiras experiências de entradas a pés juntos acidentais...


A crua realidade do mundo de trabalho... a não ser que venhas directamente de uma escola do fim da lista do ranking anual, a crua verdade (que te vai acompanhar para o resto da vida adulta) é esta: ninguém quer saber de ti. Contém o choque por um segundo e admite que é melhor ouvires isto de mim - que não quero roubar o teu posto trabalho - do que te aperceberes disto depois de acidentalmente teres dado uma argolada no trabalho e a gaja mais burra do escritório ficado com a promoção que deveria ter ido para ti.

Para evitar mais choques no escritório e para acabar com a sucessão de empregos que não vão a lado nenhum e que são uma lista de fracassos pública no teu LinkedIn, eis alguns conselhos gratuitos.

1. Não estás aqui para fazer amigos 

É duro, mas depois de 12 anos de escolaridade obrigatória (mais faculdade e eventuais mestrados e pós-graduações), a sociedade, em especial a tua mãe e os teus professores, lavaram-te o cérebro para pensares que tens de te dar bem com toda a gente. “Amigos”, é palavra que é usada indiscriminadamente para se referir a todas as pessoas que tu conheces (e que ainda não mandaste dar uma curva)

A regra é simples: tens de ser cordial e educada com as pessoas com que convives, mas tens de fazer a distinção entre amigos e colegas. Fazer um amigo não é algo imediato. Ficar a conhecer alguém o suficiente para lhe chamar amigo, é algo que toma tempo. No escritório a tua preocupação é trabalhar. Se, por acaso, com o tempo ficarem amigos, óptimo, se não depois do horário de expediente és livre de interagir com os teus amigos. Não forces a barra, mantém o profissionalismo e guarda os detalhes da tua vida para quem de facto os merece.

2. Não leves trabalho para casa

No início estás tão entusiasmada com o teu novo emprego que queres fazer tudo o possível para que corra bem, inclusive levar trabalho para casa. Há uma razão pela qual há um horário de trabalho: é para que durante essas horas, pelas quais és paga, rendam o suficiente. Só em casos excepcionais é que deves acabar trabalho em casa: crise, fogo, tremor de terra, etc... 

Além disso, se começares a levar trabalho para casa que é "milagrosamente" acabado antes do tempo necessário, estás a dizer ao teu chefe que não precisas de tanto tempo de horário de trabalho para concluíres as tuas tarefas, e assim que o deixares de o fazer, podes sujeitar-te a ouvir comentários sobre como o teu rendimento está a descer e não estás a trabalhar o suficiente. 

3. Arranja-te para o emprego

Por mais campanhas da Dove sobre amor-próprio que possas ter visto, se o teu manager não for ou a tua mãe ou o teu pai, ele/a não vai querer saber se és a pessoa mais brilhante à face da terra, se a tua imagem não lhe der a segurança e confiança que és mesmo uma adulta. É cruel e injusto, mas na maior parte dos casos, a meritocracia tem de ser sustentada pela imagem correspondente. Como aqueles jogos que fazias na pré-primária de associar a imagem à palavra correcta?

Não estou com isto a dizer para exagerares - shout out para as miúdas que copiam os tutoriais de maquilhagem excessivos do YouTube - nem para perderes a tua identidade. Estou apenas a lembrar que se queres que levem a sério, tens de apresentar uma imagem que esteja de acordo com a empresa onde trabalhas. Sapatilhas podem ser OK para quem trabalha numa posição média no Google, mas provavelmente são inadequadas para quem trabalha numa consultora ou num banco. Usa a cabeça, projecta a imagem que correcta para seres levada a sério e ninguém te passar por cima.

4. A probabilidade é de seres infeliz em qualquer trabalho, por isso escolhe um que te pague bem

Acabei de destruir a tua fantasia laboral mais cor-de-rosa: a probabilidade de encontrares um emprego perfeito, que cumpra todos os teus requisitos, é quase perto de zero. Por isso, se vais ser infeliz e aturares a telenovela que é trabalhar num escritório, escolhe um que seja confortável, que ofereça benefícios interessantes e que, acima de tudo, te pague como deve ser.

5. Confia nos teus instintos

Por três vezes na minha vida, fui a entrevistas em que me ofereceram a posição, e algo em mim me disse que não deveria aceitar a proposta e eu ignorei, porque achei que em altura de crise económica, "não era de bom-tom recusar um emprego". Analisem só o tom moralista desta última frase. Foram três anos da minha vida deitados ao lixo porque não confiei no meu instinto que me dizia "este não é o ambiente onde queres trabalhar". Por mais que custe, especialmente se estiveres aflita de dinheiro, há coisas mais preciosas na vida que isso. Sanidade mental, para começar... 

6. Não tenhas medo de desistir 

Este quase que poderia ser um corolário do ponto anterior. Caso tenhas caído no erro de aceitar uma posição que deverias ter rejeitado, ou caso a situação tenha mudado no teu escritório e o ambiente passe de cordial a destrutivo/abusivo, não tenhas medo de deixar o teu emprego. Eu sei que é melhor sair quando já tens outra oferta ou pelo menos um pé-de-meia que te permita ficar uns meses à procura da tua próxima aventura. Pensa antes de fazer a decisão, mas não tenhas medo de deixar uma situação desagradável - pensa nisto como uma oportunidade, prepara-te e vai em frente. 

7. Keep on smiling: não tens problemas, só soluções!

Fake it until you make it. Às vezes tens de simplesmente continuar a andar: o verdadeiro "keep calm and carry on". Chorar alivia a tensão quando estás sozinha, mas em público é meio caminho andado para o descrédito. Não deixes que comentários menos construtivos te deitem a baixo, deixa a análise para momentos de introspecção, não mostres de forma emocional que ficaste afectada com os mesmo e usa o teu sorriso como uma armadura. E para terminar o parágrafo com mais outro cliché, não te esqueças que o caminho se faz caminhando. 

8. Motiva-te a ti própria

A motivação e a inspiração são coisas que têm de ser exercitadas. Se não deres o primeiro passo, e começares a fazer o que tens a fazer, as coisas não se vão materializar à tua frente. Isto não é o Star Trek: as coisas não aparecerem do nada! Alguma vez leste "O Segredo"? Se tirares aquela treta toda new age e o sales pitch de seita que parece cobrir o livro (e o documentário do Netflix sobre o livro), há mérito nas palavras que lá estão... 

Era giro se tivesse mais dois mandamentos para ter um número redondo, mas deixo esses dois livres para que possam criar as vossas próprias regras.


Diana Duque aprendeu com os seus erros passados e recusa-se a escrever com o Novo Acordo Ortográfico.