Explicando a “Geringonça” - "Os Boys"

 
 Filipe Duarte é César, o poder (quase) silencioso que faz as coisas acontecerem no Portugal de "Os Boys".

Filipe Duarte é César, o poder (quase) silencioso que faz as coisas acontecerem no Portugal de "Os Boys".

São muitos os artigos que falam da “geringonça”: o Observador anunciou-a como a palavra do ano 2016, o Diário de Notícias diz que vai ser estudada por Harvard (talvez para ter o seu próprio case study)... A verdade é que a bem ou a mal, o Governo Português faz de facto jus à definição desta palavra, que até ao ano passado estava enterrada entre vários termos que foram caindo em desuso na língua portuguesa.

Confissão: mesmo com as bases de Introdução ao Direito no secundário – em que somos quase obrigados a ler a Constituição e a perceber as bases que (supostamente) sustentam a tal “geringonça” – e injecções semanais de “Visão”, “Sábado”, “Expresso”, suplementadas por doses diárias de “Observador”, a verdade é que se nem na AR eles sabem como isto funciona, como é que o cidadão comum vai compreender o funcionamento “disto tudo” a fim de dar o seu contributo positivo?

Para quem viu a adaptação da Globo de “Os Maias” em vez de os ler, vai ficar igualmente contente com a versão televisiva e altamente condensada da política portuguesa sob a forma da série da RTP, “Os Boys”. Bónus: está disponível na íntegra no site da RTP Play gratuitamente – uma pérola para quem gosta de dar pontapés na televisão pública. Vou mais longe ainda e afirmo aqui que a adaptação televisiva da gerigonça é bem melhor do que a d’Os Maias, com ou sem o furor que o Fábio Assunção costumava gerar nas meninas da altura. Para quem quiser ter créditos extra pode ler a versão mais recente, o Manual de Funcionamento da Geringonça, produzido pelo semanário Sol.

Por isso, se tiverem tempo este Verão e quiserem perceber todas as correlações, entre outros: fogos florestais, a alternância democrática, o vínculo entre o futebol e a política, como é que os chineses e os angolanos têm poder em Portugal e outros factos igualmente surpreendentes, “Os Boys” (7,7/10 no IMDB) é a série para vocês. Apenas vos peço que se acharem os três primeiros episódios muito calmos não desistam, que o contexto que eles pintam será útil para os restantes retratos (reais?) da série.