#NoRadar: Ideal & Co

 
 
 

Há poucas coisas que te acompanham uma vida inteira. Às vezes é um livro que leste e releste em vários momentos da tua vida, outras vezes é um pequeno brinquedo do qual, apesar de todos os anos que passaram e todos os lugares onde viveste, nunca te separaste dele. A inspiração da Ideal & Co. é esta também, criar peças no melhor cabedal português, que não só te vão acompanhar durante toda a tua caminhada, como serão algo a passar para as gerações futuras.

Algo que nos temos apercebido ao longo dos vários artigos da série #NoRadar é que a nova geração – a minha geração – está a fazer algo que durante muito anos rejeitámos a troco de investimento em outros sectores, como o da tecnologia, por exemplo. Esse algo é justamente pegar no que é característico de Portugal e trazê-lo para o século XXI. No fundo, e de forma quase inconsciente, seguiram apenas o que o célebre David Ricardo, o celebrado economista quase-português, filho de portugueses de origem judaica que emigraram no misto de uma “semi-perseguição” religiosa, postulou três séculos antes: cada país deve especializar-se na produção de bens em que têm uma (relativa, acrescentaria agora o meu Professor de Economia Internacional) vantagem comparativa. Muito simples: somos bons na produção de determinados tipos de bens, a escolha lógica é investir na produção desse tipo de bens.

O brilhantismo da Ideal & Co. reside aí mesmo. A marca propriamente dita nasceu em 2012, mas a verdade é que estão a continuar o projecto que o avô de Rute, uma das fundadoras, começou em 1935. António Vieira, o avô, começou com a tenra idade de 14 anos a dedicar-se à compra e venda de peles. Era ele e a sua bicicleta e quase 30 km que percorria com frequência. Bastou um ano para que o negócio tivesse prosperado para lhe permitir contratar um homem para o substituir na lavoura (na quinta dos pais) e para se poder dedicar a tempo inteiro ao seu novo negócio. Em 1959, o negócio tinha prosperado o suficiente para abrir a sua própria fábrica, a Fábrica de Curtumes IDEAL, que inspirou o nome da Ideal & Co.

 
 

O outro co-fundador da marca, José, também começou aos 14 anos a dar os primeiros passos no negócio, trabalhando numa loja de bicicletas durante umas férias de verão. Uma coisa leva à outra e depressa se organizou para conciliar os estudos com o negócio, desenvolver um logótipo e um negócio paralelo de importação e distribuição de bicicletas e acessórios, negócio este que existe ainda.

 
 Os fundadores, Rute e José!

Os fundadores, Rute e José!

 

Desta união e da soma das suas experiencias e paixões, quer a nível pessoal quer a nível profissional, nasce a Ideal & Co, que concebe e comercializa produtos manufacturados, como malas, mochilas, carteiras, capas para telemóveis e mesmo acessórios de bicicletas, entre outros, utilizando métodos e técnicas eco-friendly de trabalhar a matéria-prima, os couros. Estes são curtidos usando uma técnica 1005 vegetal, i.e. utilizando corantes naturais e não utilizando os habituais químicos à base de crómio, que ainda hoje são utilizados na maior parte das peças comercializadas no mercado. Esta técnica desenvolve uma pátine na pele que lhe dá mais beleza e resistência à exposição aos elementos naturais. Leia-se, só melhora como tempo.

 
 

Um outro aspecto importante neste negócio foi o da reabilitação desta arte, promovendo a utilização de artesãos experientes que vincam, colam e cosem cada peça individualmente, utilizando aquilo que apenas se pode descrever como técnicas que passaram de artesão em artesão e que estavam em risco de ser perdidas para sempre. Isto é um sonho para quem está à procura de peças únicas ou que queria personalizar peças já existentes – como o trabalho é manual, é mais fácil aceder a pedidos específicos dos clientes.

No futuro, esperam inovar com a utilização de outras matérias-primas na área dos têxteis, madeiras, metais e pedras (também característicos de Portugal) e dinamizar as mais pequenas oficinas localizadas na região do Parque Natural da Serra de Aires e Candeeiros.

Para já, convidamos-vos a visitar o site e a começarem a fazer wishlists para todas as ocasiões futuras – a nossa é já muito longa!