#Diário de Viagem: À descoberta de Cuba

 
 

Cuba. O país parado no tempo. O país revolucionário, de gentes simpáticas, da salsa, de águas quentes e transparentes… O país comunista. 

Cuba não é Varadero. Desengane-se quem acha que ir a Cuba é ir a Varadero. Não façam isso às vossas vidas, assim como assim é preferível ficar-se pelo Algarve. Neste artigo vão poder encontrar um pequeno roteiro sobre Havana, Trinidad e Cayos onde espero despertar a vossa vontade de ir conhecer esta jóia das Caraíbas. 

Primeiro que tudo, é importante perceber que Havana acordou realmente para o turismo nos últimos 7 anos e, consequentemente, o turismo é um poderoso ganha-pão para os cubanos. Isto significa resumidamente que o povo acha que todo e qualquer turista é rico. E daí ninguém se livra de: ser abordado 20 vezes ao dia para os mais variados serviços turísticos desde táxi a compra de charutos, etc, de ser enganado uma ou outra vez e de dar muitas gorjetas. Apesar de a educação e saúde serem gratuitas em Cuba, o  cubano ganha à volta de 15 dólares por mês e, como podem deduzir, não é fácil viver dessa quantia. Os preços no geral não são baixos e não são negociáveis, sendo que uma refeição ronda os 12 dólares por pessoa nos chamados Paladares (restaurantes particulares) e uma viagem de táxi nunca será menos que 10 dólares mesmo que andem apenas dois quilómetros. A internet é quase inexistente, excepto em alguns hotéis e jardins públicos onde se pode comprar uma "tarjeta" de internet ETECSA por 1,5 dólares, usufruindo de 1h de internet com muito pouca velocidade. É assim que os cubanos falam com os seus familiares no estrangeiro, por isso quando passarem por um jardim onde há 100 pessoas a falar no Skype, é muito provável que esse seja um ponto de internet na cidade. Então se Cuba não é assim tão barata como é que os cubanos vivem? perguntam vocês. Pois, a resposta é que vivem mal. O turista recebe o tratamento VIP, tem acesso à melhor comida e dormida mas o cubano não tem variedade nem fácil acesso a comida ou medicamentos e vive em casas consideravelmente degradadas e desprovidas de conforto. 

  • Meteorologia: muito húmido, só suportável com um poderosíssimo ar condicionado. 
  • Moeda: "Moneda Nacional" ou CuP e moeda "turística" equivalente ao dólar de nome CuC, ou peso cubano.
  • Souvenirs: Havana Club (rum), charutos cubanos (Cohiba), café e chapéus de palha. Dica: Havana é uma cidade cheia de pintores que fazem quadros lindos, por isso se tiverem oportunidade esse é um excelente e duradouro souvenir. 
  • Alojamento: casas particulares (Airbnb) por 25 dólares a noite, oferecem uma família simpática, um quarto ao estilo colonial e um pequeno-almoço fabuloso por mais 5 dólares. 
     
  • Imperdível em Havana (3 dias são suficientes para tudo):
    • Viagem de descapotável dos anos 50 pelo Malecón (marginal com muita animação nocturna), fábrica de arte cubana (um género de LxFactory cubano)
    • Dançar salsa na Casa da Musica de Miramar ou ouvir um bom Cubaton (reggaeton cubano) numa discoteca na Calle 23
    • Vaguear por Havana Vieja (onde se percebe como realmente vive um cubano), comer em paladares (Doña Eutimia é um recomendado)
    • Andar de bicitáxi pelas calles da cidade
    • Visitar e provar um mojito na famosa Bodeguita del Medio e um daiquiri no El Floridita (lugares frequentados por Hemingway)
    • Compreender a revolução e a história de Cuba no Museu da Revolução 
    • Visitar a Fábrica do Tabaco onde poderão ver um charuto a ser confeccionado à mão, passear no Prado ao fim de semana (mercado de pintores e outros artistas) 
    • Comprar souvenirs na Calle Obispo
    • Visitar o majestoso Hotel Nacional e comer um gelado na Copélia

Havana é uma cidade linda, romântica, que nos transporta para outra época, que nos faz dançar ao som de ritmos latinos, nos dá a provar o melhor da comida criolla, nos brinda com anfitriões disponíveis e simpáticos, nos mostra a realidade do comunismo e nos faz querer voltar. 

Porém, se quiserem descobrir um pouco mais de Cuba terão que obviamente visitar Trinidad - Património da Unesco - que eu amei. Podem ir para lá num táxi partilhado ou de camionetas Viazul. O preço é exactamente o mesmo e ronda os 30 dólares para cerca de 5h de viagem. Podem comprar os bilhetes da Viazul online e têm que comparecer no terminal com uma hora de antecedência para o check-in ou arriscam-se a ficar em terra. Em Trinidad apenas passeiem pelas ruas, divirtam-se na Casa da Musica, jantem num terraço perto da Plaza das Armas e disfrutem da Playa Ancón a 20 min de táxi. Na praia não comam nos bares (péssimo), optem antes pela comida que vem em pratos na hora de almoço (muito boa). A partir de Trinidad podem visitar a cavalo as plantações de café e cana de açúcar. Este tour custa apenas 15 dólares e é inesquecível (podem tomar banho em piscinas naturais com cascatas). À noite não deixem de ir à discoteca La Cueva que fica dentro de uma gruta e vão dançar muito. 

A viagem não fica completa sem uns dias com tudo incluído num dos hoteis dos Cayos. Cayos são ilhas maravilhosas, de clima tropical. E aqui o que se faz? Nada, pois bem. Apanha-se muito sol (cuidado com os escaldões, que não são brincadeira), vêem-se muitas palmeiras, flamingos e caranguejos, vê-se espectáculos de dança e música, passa-se o tempo dentro das águas quentes e transparentes do mar, come-se muito e bebem-se muitos cocktails. Vida boa mesmo. Devem absolutamente visitar a Playa Pilar - melhor praia das caraíbas. Sugestão: Hotel Meliã Cayo Guillermo. É um 5 estrelas não muito caro que é um autêntico paraíso na terra. E para mim um paraíso na terra implica que não existam pessoas em espreguiçadeiras a menos de 1 quilómetro de mim. O que é impossível em Varadero. Já disse para não irem para Varadero, não disse? 

Pois bem, Cuba é um destino de viagem perfeito para quem gosta de relaxar e apanhar sol e, ao mesmo tempo, ter a oportunidade de visitar um país cheio de história, muita cultura e entretenimento. "Cuba bella" estava escrito na Plaza Vieja em Havana. E tão bella que é!