#NoRadar: âme moi

 

Nesta nossa rubrica #NoRadar temos vindo a apresentar-vos diversas marcas portuguesas, todas elas uma boa prova que os produtos made in Portugal têm muita qualidade, e que por isso mesmo começam a ganhar terreno não só em território nacional, como também internacional. A marca que vos apresentamos hoje é também ela uma prova desta mesma notoriedade, que vale a pena conhecer e manter debaixo de olho. Quando estiverem a fazer a vossa lista de desejos ou simplesmente quando quiserem apostar numa boa carteira, não se esqueçam de espreitar a âme moi – prometo que não se vão arrepender!

 
 

A âme moi surgiu do gosto e da vontade de Margarida e Alberto em criar uma marca que fosse muito feminina e que refletisse de alguma forma a sua forte ligação ao mundo equestre. Embora esta seja uma marca de carteiras, o seu ADN reflete o amor e a confiança que existe entre o cavaleiro e o cavalo, transpondo para a mala a ideia de uma sintonia perfeita entre a alma de quem a utiliza e o objeto em si. A mala transforma-se no reflexo de quem a usa, assim como o cavaleiro transmite as suas energias ao cavalo e o torna no seu reflexo quando está a montar.

No mercado desde 2012, altura da sua criação, a âme moi passou por um processo de rebranding e renasceu em 2016 como a vemos hoje: carteiras elegantes, com qualidade, pensadas para agradar a todas as mulheres que nelas se revejam independentemente do seu estilo e personalidade. Para Sara Moura, Diretora de Marketing da marca, a ideia da marca é mesmo esta: “múltiplas mulheres, múltiplas visões, múltiplos estilos, múltiplas cores, múltiplas formas de usar”, já que cada mulher pode escolher a cor da carteira (de entre as opções disponíveis), e pode escolher a forma de a utilizar também (com a alça, na mão, a tiracolo). “As pessoas podem usar o que realmente quiserem desde que coloquem a sua alma naquilo que estão a vestir”, remata.

As carteiras âme moi combinam os melhores materiais com técnicas de artesanato, e são o resultado da dedicação, do estudo e do empenho dos artesãos que as produzem e da restante equipa, desde a pessoa que pensa o seu design até ao seu departamento comercial e departamento de marketing. São a conjugação entre as tendências e a identidade de liberdade e ousadia que caracterizam a marca. Todos os anos são lançadas duas coleções – Spring/Summer e Fall/Winter, e em cada coleção há alguns modelos de coleções anteriores que são reinventados de acordo com o seu mood, ganhando assim uma nova vida.

Há também uma coleção muito especial, que vai acompanhando estes lançamentos com um novo modelo por coleção: a Pour Lucie. Pour Lucie é uma coleção limitada que resulta da paixão da âme moi pela arte e pelo gosto de manter a identidade do que é ser português, neste caso através das obras do pintor Amadeo de Souza-Cardoso que ilustram o seu amor pela mulher da sua vida, Lucie. Para esta coleção, a âme moi conta com a participação da trineta do pintor, Isabel Rebelo de Andrade, que se junta ao team criativo e escolhe as obras do pintor a serem retratadas nas carteiras. Esta coleção acompanha a exposição sobre o artista, que terminará em 2018 no MoMA, e o objetivo é que até ao final da exposição sejam lançadas entre 5 a 6 carteiras para homenagear o artista. Como Sara explica, e bem, é uma preocupação da marca homenagear artistas portugueses, seja na área da pintura, escrita ou outra forma de expressão, para que nunca se perca o valor da identidade portuguesa, e por esse mesmo motivo podemos esperar novas coleções nos mesmos moldes para o futuro.

 

 
 

 

Enquanto marca jovem, a âme moi tem investido na construção da sua identidade e promete que as suas carteiras se vão tornar na próxima Birkin. No bom caminho já estão dois dos seus modelos mais icónicos, a Santana e a Lisbon Mini, que fazem parte das escolhas de diversas bloggers e personalidades ligadas ao mundo da moda, como a modelo portuguesa Maria Clara. Com targets diferentes nos mercados nacional e internacional, esta é uma marca que encontra maior expressão em mulheres entre os 25 e os 44 anos, mas é essencialmente uma marca para todas aquelas que a saibam acolher e que se sintam ousadas o suficiente para o fazer. “A mulher que nós queremos é uma mulher que vê o seu futuro sem limites. Uma mulher destemida, capaz, viajada, cosmopolita, culta... A nossa mulher é simplesmente uma mulher destemida, que nos consegue desmistificar, uma mulher muito ousada”, afirma Sara.

Com destaque no mercado Europeu, os próximos passos do futuro da marca passam também por uma entrada em mercados como os Estados Unidos ou a Rússia, mercados em que, regra geral, existe um maior poder de compra. A qualidade de vida em Portugal é muitas vezes um impedimento ao investimento em carteiras premium, como é o caso da âme moi, mas isso não significa que estejamos de fora do seu radar, e prova disso mesmo é a possibilidade de adquirir as carteiras em algumas lojas físicas, como a Loja das Meias, em sites como a Farfetch ou através da loja online no site da marca. Ao nível internacional, podemos também encontrar a âme moi em locais como as Galerias La Fayette, em Paris, ou o Harrods e o Selfridges, em Londres.

Não é difícil adivinhar que podemos esperar muito da marca no futuro: as coleções seguintes, já planeadas, trazem algumas surpresas, inclusive a existência de outros acessórios além das carteiras, e as coleções vindouras trarão ainda novas possibilidades.

Seria impensável terminar este artigo sem abordar um dos aspetos que mais gosto na identidade desta marca: a sua voz ativa. Sara defende que “nunca será demais dizer que as mulheres são importantes. As mulheres devem lutar cada vez mais pelos seus direitos, pela sua igualdade, por aquilo que realmente querem ser e fazer. É muito importante para as marcas terem voz política, social e económica. A marca deve dar a sua opinião. A nossa marca tem personalidade, tem voz ativa no mercado e vai continuar a tê-la. Mais do que uma marca, a âme moi é uma equipa toda atrás da marca. Mais do que uma marca de carteiras é uma marca para mulheres, é uma marca do mundo e para o mundo e não nos vamos calar.” Uma marca com voz ativa, que defende a luta pelos direitos igualitários das mulheres, que não tem medo de se expressar na sua arte e na sua comunicação é certamente uma marca de sucesso. E ainda bem.

 

 

Um agradecimento especial à Sara Moura, Diretora de Marketing da âme moi, pela sua disponibilidade e sinceridade na conversa que tivemos sobre a marca. Não há nada melhor do que conhecer uma marca pelos olhos de quem vai contribuindo para o seu crescimento e identidade diárias. Obrigada Sara!