#NoRadar: Life in a Bag

 
0000484_microvegetais-duo-rucula-e-agriao_550.jpeg

Se alguém merece um “prémio” por não conseguir manter uma planta viva em casa, essa pessoa devo ser claramente eu. Mas comigo estão imensas pessoas, que tirando fazer germinar um pequeno feijão durante a primária, a experiência que têm com plantas baseia-se às que comem e às que oferecem em ocasiões festivas.

Eis que aparece a Life in a Bag. Começou como um hobby, mas ao longo do tempo, Alexandra Silva e Pedro Veloso transformaram o seu passatempo num negócio verdejante. O seu objectivo é fazer chegar a todas as pessoas, independentemente de se têm jardim ou conhecimentos de jardinagem, a possibilidade de cultivar os seus próprios vegetais, ervas aromáticas, flores... a selva é o limite!

Esta designer e este engenheiro informático aliaram a vontade de ter o seu próprio negócio, à sua paixão pelo “faça você mesmo” e a preocupação por ter produtos biológicos que promovam bons hábitos alimentares. Nenhum tinha experiência em “agricultura” e aprenderam com várias tentativas e, claro, vários erros.

O melhor de tudo é que além de a maior parte dos produtos vir quase pronto a “crescer”, a Life in a Bag dá também assistência, sobretudo a nível de esclarecimentos durante o cultivo, evitando os erros comum de água a mais ou a menos, provavelmente a principal causa de morte de plantas de vaso em apartamento.

Para os fãs de meditação, criar e cuidar do seu próprio mini-jardim é uma boa forma de pôr em prática uma vida mindful. Não precisamos todos de fazer os mesmos exercícios de relaxamento e de meditação. Cultivar algo e depois cuidar da nossa platinha é verdadeiramente gratificante a nível pessoal, e ajuda a limpar as ideias depois de mais um dia a correr. É uma boa sugestão para um presente original, a verdadeira “gift that keeps on giving”! Todos os materiais são reutilizáveis e possibilitam o consumo consciente e promovem a sustentabilidade ambiental.

Se a selva é o limite, num horizonte não longínquo, vão continuar a inovar quer a nível das plantas que oferecem, quer a nível da forma como as oferecem, e a apresentar este produto a novos mercados, apostando na inovação e no design. Agora que já tenho uma estratégia para manter as minhas ervinhas aromáticas vivas, vamos ver se consigo manter flores e, quem sabe, ter um animal de estimação!