Descobertas da Semana #7

Esta semana portei-me bem caros ouvintes! Ou tive sorte… tive sorte! Tropecei em muita coisa boa, e pela primeira vez este ano, tive que selecionar as descobertas para não fazer uma lista demasiado grande. Às vezes ainda fico meia estupefacta de existir tanta coisa a acontecer no panorama musical, e de, mesmo sem grande esforço, eu encontrar tanta coisa que não conheço. E para além disso, coisas boas. Não sou nenhuma expert no assunto nem tenho um conhecimento muito alargado, mas vai na volta e é por isso que consigo ficar fascinada com o que descubro por aí.

Vamos à lista:

Começamos com um single. Cosmo Pyke tem apenas 18 anos e isso só o torna ainda mais surpreendente. Para além de compositor e multi-instrumentista é também modelo, skater e graffiter. Acho que este miúdo tem tudo para dar certo e mal posso esperar pelo que ele vai fazer.

Cosmo Pyke – Chronic sunshine (single)

 
 

Tenho uma queda por baixitas, e Miles Mosley ganha ainda mais pontos por tocar contrabaixo. Foi, para mim, “A” descoberta da semana. Já ouvi os álbuns todos e estou fã. Li por aí na net que o estilo dele é como se Jimi Hendrix tocasse contrabaixo na banda do Prince, e se esta descrição não vos convence, escusam de voltar aqui. Para além de contrabaixista, toca guitarra, piano e compõe.

Miles Mosley – Uprising

Se fosse obrigada a escolher um género musical para ouvir para sempre, provavelmente funk seria o escolhido. Se for old school melhor, adoro! Vulfpeck é uma banda de funk inspirada nos clássicos, e o álbum The Beautiful Game é uma homenagem à soul e ao old school funk. Que mais podia pedir?

Vulfpeck – The beautiful game

 

Stephen Bruner dá pelo nome de Thundercat e é mais um baixista (bem estou numa excitação com esta lista, não estão bem a ver). Para além do trabalho a solo, que vão ver é maravilhoso, ainda trabalhou com Flying Lotus e Kendrick Lamar (dois nomes que adoro, não adoro os nomes, vocês percebem…)

Thundercat – The beyond/ Where the giants roam

 

Sun Kil Moon é uma escolha pouco óbvia para mim visto que não sou muito dada a folk. Tem este nome, mas é americano, compositor e um contador de histórias. Descobri-o a ouvir uma música chamada I love Portugal e pensei que pudesse ser português. Se o Toni Carreira cantasse em inglês podia bem ser o titulo de uma canção saudosista do típico emigrante. Esta musica não é assim. Esta é uma musica para quem se apaixona pelas coisas simples do nosso país, e ideal para todos os que têm saudades.

Sun Kil Moon – Common as light and love are red valleys of blood

Filho de mãe francesa, pai colombiano e a viver em Nova Iorque, Gabriel Garzón- Montano tem em si o DNA perfeito. Um misto de romantismo e exotismo aliado ao melhor que se faz hoje em dia na musica. Mais um multi-instrumentista (guitarra, violino, bateria, baixo,e piano), compositor e cantor. Para mim o final perfeito para a lista desta semana. Duvido que vá conseguir outra tão boa, tão cedo.

Gabriel Garzón-Montano – Jardin