Valentine's Day ou Dia dos Namorados

04_valentines-gift-guide-her-09.png

O dia dos namorados começou por ser, inicialmente, a adoração de um, ou mais santos, chamados Valentinus. Hoje em dia, é um fruto comercial da sociedade moderna. Mais um motivo para gastarmos dinheiro. Se em Portugal já achava que era tudo over the top, aqui em Nova Iorque a situação toma outras proporções. É altamente surreal a forma como se celebra este dia. Quase parece um feriado a sério! Assim que se tiram as decorações de natal, as lojas, restaurantes e bares enchem-se de corações, chocolates, menus e eventos. Não há como escapar!

Não estou, com isto, a dizer que odeio o dia dos namorados. Há muitos anos, com o meu primeiro namorado, todos os anos celebrámos. No primeiro ano que estivemos juntos ainda estava na escola, fui almoçar com umas amigas e lá aparece ele com um ramo de rosas vermelhas na mão. No segundo ano fomos jantar a um indiano em Lisboa - eu já estava na universidade. No terceiro ano não conseguimos estar juntos. No quarto já não ligámos muito mas ainda acabámos por ir jantar. Quando o meu primeiro namorado passou a ex, a pressão do dia desvaneceu. Naquele ano, jantei com as minhas amigas e fomos sair. 

Com o meu marido, durante 4 anos namorado, nunca celebrámos o dia dos namorados. Damos preferência a dias como os anos de namoro ou, agora, de casados. E mesmo assim não somos os mais lamechas. Preferimos celebrar quando nos apetece. Se encontramos alguma coisa que achamos que o outro vai gostar, não hesitamos. O que torna as coisas muito mais especiais e inesperadas.

No fundo, aprecio bastante a ideia por trás deste dia. Um dia inteiro dedicado ao amor da nossa vida. Seja ele quem for. Aqui até se celebra o Galentine's, dia das gals ou amigas. Acaba por ser um bocado o que interpretamos dele. E é sempre uma óptima oportunidade de dizer que gostamos de alguém ou fazer outra pessoa sentir-se especial. Mesmo que seja ultra fabricado, vamos sempre saber que, aquele dia é dedicado ao amor.

As prendas mais especiais que dei nem foram no dia dos namorados. Ao acima mencionado ex-namorado, dei o que considero uma das melhores prendas até hoje. Quando fizemos um ano de namoro - eu tinha 17 anos - escrevi num caderno as 365 coisas que gostava nele. Com recortes de revista, jornais, impressões. Quase um scrapbook. Demorei à volta de duas semanas a fazer e empenhei-me de tal forma, que hoje, talvez não tivesse paciência. Uma prenda tão simples, tão sentimental e tão barata. Só tive de gastar dinheiro no caderno.

Seja qual for a vossa opinião em relação a este dia, o importante é as pessoas que mais significado têm na nossa vida, saberem-no constantemente. E mais nesse dia que lhes é dedicado. Se vos faltarem ideias para prendas, criei um guia para eles e para elas aqui.

Espero que tenham um óptimo dia e que se lembrem de o celebrar mais vezes em 2017.

X Eduarda

Podes também seguir-me no meu Blog, Instagram e Facebook.