Como Sobreviver na Indústria Criativa e Onde Encontrar Inspiração

jwimshwif14-jeff-sheldon-e1485751510860.jpg

Desde que fui para a universidade, em 2006, parte do meu trabalho passa por procurar inspiração. Durante o meu curso, ensinaram-me pequenas práticas criativas que me ajudaram a ver o mundo de outra forma. Ainda me lembro de sentir que era uma revelação perceber onde grandes criativos da indústria da publicidade, do marketing e do design encontravam inspiração.

Quando me tornei designer de comunicação, percebi que um dos maiores desafios da comunidade criativa passa pelas fontes de inspiração. Se, como eu, trabalhas nessa indústria, sabes que nem todos os dias são dias de trabalho. Há alturas em que é simplesmente impossível conseguir mandar uma para a caixa. É uma indústria dinâmica, em constante mudança, onde as fontes são, basicamente, o mundo que nos rodeia.

Durante anos, trabalhei para perceber de que forma é que funciona o meu processo criativo. E demorei até perceber que é completamente diferente do das outras pessoas. A forma como eu chego à solução de um projecto não tem nada a ver com a de outra pessoa. Durante o meu mestrado, tinha colegas que desenhavam, outros recortavam revistas, outros pesquisavam incessantemente na internet. Felizmente, hoje em dia, a internet ajuda-nos muito na preparação de e para qualquer projecto. Sejas jornalista, designer gráfico ou blogger, o essencial está na informação que consegues reunir antes de avançar com a parte criativa.

É uma área meio cinzenta, por ser tão subjectiva. O que para mim é esteticamente agradável pode não o ser para outra pessoa. Mas todos têm em comum as ferramentas e métodos utilizados para chegar à solução. No que toca ao design de comunicação, começo por pesquisar projectos semelhantes ao que me foi pedido. Seja concorrência ou área. Quando falamos de posts para o meu blog, a coisa muda um bocadinho.

Sempre fui uma ávida leitora de blogs. Criei o meu primeiro blog em 2004, onde escrevia só pequenos devaneios e desabafos. Desde pequenina, os meus pais sempre me deram diários e os blogs são uma evolução mais complexa dos diários. Em 2014, decidi apostar à séria neste assunto e surgiu o I Life You. Como na altura me mudei para Nova Iorque, comecei a escrever em inglês - o que também ajudava com a compreensão e aperfeiçoamento do meu vocabulário. Isto para vos explicar o meu processo de encontrar inspiração para escrever posts 5 dias por semana. E ainda arranjar conteúdo para as redes sociais (um dia destes escrevo outro post sobre blogs e ser blogger!).

Abaixo seguem 5 ferramentas que utilizo de pesquisa (seja para projectos ou para os meus posts de blog):

#1 Outros blogs

Todas as minhas manhãs começam com a leitura de vários blogues que sigo. Normalmente é uma lista que vou actualizando de 6 em 6 meses. Mas, basicamente, olho para tudo: conteúdo, escrita, fotos, história visual, integração da estética com as fotos, colaborações. É interessante ver a forma como cada blogger aborda as temáticas de forma tão diferente - ou às vezes não. Quer as tuas áreas de interesse sejam lifestylemodabelezaviagem ou receitas, há sempre blogues de referência que podes seguir. No meu caso, a maior parte dos que sigo são estrangeiros, mas há vários a nível nacional de que também sou fã (como este ou este).

#2 Pinterest

Uma das maiores e melhores colecções de imagens. Não consigo gabar o Pinterest o suficiente. Desde que comecei a perceber a forma de funcionamento - que não é muito intuitiva - tenho coleccionado um sem número de imagens de todos os géneros. É fácil pesquisar aquilo que queremos, fácil guardar as nossas imagens preferidas e, quando precisamos de inspiração, é só ir ao quadro (ou board) dedicado ao que precisamos. No meu caso, tenho quadros de street style, beleza, pormenores, design, decoração, entre outros. Podes ver tudo aqui.

#3 Imprensa

Podemos falar de revistas, jornais, livros, catálogos, e qualquer coisa palpável. Um dos meus hábitos em Nova Iorque é, de duas em duas semanas, espreitar duas ou três lojas de revistas e trazer para casa as que mais me inspiram. Revistas como a Vogue são interessantes, não só pelos artigos, mas pelos editoriais. Depois, há revistas de área como a Wallpaper ou a Monocle. Livros também sempre foram, e são, uma fonte de inspiração infindável.

#4 Designspiration

Não encontrei um termo para sites deste género. Apesar de parecer semelhante ao Pinterest, o Designspiration tem um sortido de imagens já seleccionadas. Quando tenho um projecto de design e me pedem um mood board, ou quadro de conceito, vou ao Designspiration. É fácil, simples, e só tenho de fazer scroll down. Como este, há outros sites de referência como o Behance, onde podemos pesquisar por projectos de design. E tantas outras soluções ao toque de um clique.

#5 Sair para a rua

Pode parecer contra-intuitivo. Quando estamos a tentar começar/desenvolver/acabar um projecto e alguém nos diz para irmos para a rua. Mas uma das técnicas que desenvolvi na altura do mestrado, foi sair para a rua com a minha máquina fotográfica. Na altura, os telemóveis ainda não tinham câmaras boas, mas nesta fase também servem. Ainda hoje, quando me estou a sentir presa ou sem um pingo de criatividade, pego nas minhas coisas e lá vou eu. Passear por Brooklyn ou Manhattan ajuda sempre a espairecer e procurar por tudo o que vemos. Inspiração e criatividade estão nas montras, nos graffitis, nos menús de restaurantes e até nas pessoas que vemos na rua.

Tens alguma técnica que utilizas? Sites que não mencionei que vês/lês regularmente?

X Eduarda

Podes também seguir-me no meu Blog, Instagram e Facebook.