''Saudável e zen'': a obsessão por ser-se saudável e zen

5gz53m_dqmw-aral-tasher.jpg

Já todos estamos mais que habituados a ver na TV, nas redes sociais e em tantos outros lugares que a saúde é o bem mais precioso que temos e que por isso precisamos cuidar-nos. Até aí concordo plenamente. Agora vejamos a coisa por outro prisma: já repararam que se tornou obsessiva esta questão da saúde fisica e mental? A quantidade de blogs e revistas  que abordam temas como culinária saudável, mindfullness, espiritualidade etc, é a prova de que o universo da ''auto-preservação'' veio para ficar. Repararam no antagonismo da questão: obsessão e saúde?  Algo não está certo, pois não?

Saber balançar-se nesta dualidade de ser ou não saudável exige muita prática ou preguiça, sei lá!

Eu própria,  muitas vezes acabo a minha meditação (sim, eu medito) e depois vou discutir com o meu marido porque não come fruta nem legumes.

De que me valeu a meditação se fico irritadissima por não conseguir implementar estes hábitos em casa?

Tenho amigos tão ''doentes'' de saudáveis que são, que estão sempre engessados! ''Ossos do oficio''-  dizem! (Pés partidos faz muito bem à saúde, penso eu...)

Hoje em dia todos somos ou temos personal trainers, coaches espirituais, gurus modernos, e insistimos que estas práticas são fundamentais para a nossa expansão pessoal. Realmente são importantes, tirando os a maioria coaches, claro. São tão vagos e previsiveis como o horóscopo de uma qualquer revista cor-de-rosa, mas em versão cara. Então porquê esta febre toda agora? Ao contrário daquilo que seria suposto e bonito (o despertar da consciência humana para uma vida plena, pacifica e saudável) mais me parece se tratar de uma competição. Continuamos aliados ao ''eu vs tu''ou ao ''eu vs tempo''. Apressamo-nos para não morrer,apressamo-nos para não ficarmos doentes, para não nos deprimirmos, apressamo-nos contra a ansiedade... e o antagonismo voltou!

A pressa é inimiga da perfeição.

Vai com calma, relaxa e bebe um tinto.