Sozinha em casa: 5 coisas importantes sobre trabalhar por conta própria

wuqme0i_oza-gabriel-beaudry.jpg

Antigamente era relativamente simples. Ia-se para a escola, tinha-se notas minimamente aceitáveis, escolhia-se um curso superior e tentava-se concluir o mesmo num prazo e com resultados mais ou menos aceitáveis. Depois era polir os troféus, preencher formulários e enviar currículos, ir a entrevistas e, na maior parte dos casos, um emprego para a vida estava à distância de um estalar de dedos. Com a crise e a dificuldade em entrar e manter-se no mundo do emprego, muitas pessoas começaram a optar por criar o seu próprio emprego, desenvolvendo as suas próprias ideias de negócio. Parece ideal, não é? A verdade é que ser chefe de si próprio é quase tão difícil como trabalhar para alguém. Eis algumas dicas para ser a melhor chefe de si própria!

1. Organização

Parece lógico que “organização” seja o primeiro ponto, mas a verdade é que muitas vezes, a maior parte dos empreendedores esquece-se o chefe é agora ele próprio. Nem todas as pessoas estão preparadas para a responsabilidade de não só organizar o seu próprio trabalho, mas também de manter as tarefas de suporte em dia. Tarefas como pagar contas, controlar despesas, manter um ambiente de trabalho limpo e responder atempadamente a chamadas e emails, que num “emprego típico” estão distribuídas por outras ou várias pessoas, estão agora concentradas numa só pessoa.

2. Ter um Horário

É tentador pensar que agora que trabalhamos por conta própria, temos todo o tempo do mundo. A verdade é que embora não possamos ter medo de trabalhar aquele “extra”, ter um horário mais ou menos definido é útil em termos não só de organização, mas também de higiene mental, especialmente quando se vive a dois. É importante manter algum espaço entre a vida profissional e a vida pessoal, e embora seja compreensível que início seja necessário um esforço suplementar para começar um negócio, não devemos fazer um hábito as longas horas e trabalhar quando estamos acompanhadas por família e amigos.

3. Definir o espaço de trabalho

Este ponto vai ajudar a complementar o ponto anterior. Ter uma área dedicada apenas ao trabalho é em termos de organização mental. Ninguém está com isto a dizer que se deva incorrer em gastos desnecessários, como arranjar logo um escritório ou comprar mobiliário específico para espaços profissionais. Fala-se apenas do básico: ter um espaço onde seja fácil ter tudo à mão. Uma secretária com uma estante ao lado com todo o material necessário. E claro, fazer disso um espaço agradável. Luz, cor, convidativo a trabalhar.

4. Manter o profissionalismo

Eu sei que é tentador, mas não passar os dias de pijama ajuda imenso a evitar a moleza e as distrações. Há algo que muda depois de um banho e de uma muda de roupa lavada. Provavelmente é um estimulo pavloviano de anos e anos a levantar, tirar o pijama e ir para a escola… Isto é o básico. Claro que em vídeo conferencias, receber clientes, todo o tipo de interacção com o “exterior” da tua cama, deves projectar uma imagem profissional, adequada ao teu tipo de negócio. Não é necessária a imagem cliché hiperprofissional de fato tipo anos 80. Se achares que calças de ganga e sapatilhas são adequadas ao quotidiano do teu negócio, by all means, go ahead! Mas espero que sejam calças e sapatilhas limpas.

5. Networking

Trabalhar por conta própria com um escritório em casa pode ser isolador. Vê nisto uma oportunidade para aumentares a tua rede e para manteres os contactos que já tens. Fácil numa grande zona urbana, um desafio em espaços mais fechados. Claro que isto não é uma desculpa para ir almoçar fora todos os dias, sair à noite com frequência, etc… Equilíbrio é chave, especialmente no que diz respeito a gastos!